Por que José Serra não fala sobre enchentes na Globo?



Enquanto as chuvas desintegram São Paulo, paira a dúvida neste humilde blogueiro em quais planos de “realidade” o Jornal Nacional e os veículos da família Marinho conseguem se enquadrar. Ou melhor, observar e reportar, se for este, stricto senso, o objetivo do jornalismo. Há um mês que a cobertura do Jornal Nacional sobre os dilúvios diários nas cidades paulistanas sustenta a tese de que os estragos provocados são culpa única e exclusiva de São Pedro e da população pobre, que teima em sujar os bueiros e bocas de lobo. Em 50 dias de matérias e reportagens nenhuma palavra do governador do Estado, José Serra (PSDB), ou do prefeito da capital, Gilberto Kassab (DEM). É como se paulistas e paulistanos vivessem numa espécie de terra de ninguém que passou a ser governada por Iansã, a orixá dos raios e trovões. Bom lembrar que depois das imagens e comentários sobre as devastações diárias, a preocupação do jornalismo de Ali Kamel – o poderoso diretor da Globo - recai sobre as palavras da garota do tempo, que, ao sabor da sua expressão, dá a senha para o dia seguinte, tipo: “a população que se cuide que vem mais água”. Mas, sim, e as tais perguntas que seriam mister do fazer jornalístico? O telespectador não pode ser informado por que o governo Serra não construiu os piscinões e realizou obras de infra-estrutura que reduziriam o problema das enchentes? Ou mesmo por que o poder público não desobstruiu e limpou o rio Tietê? Quando do apagão de oito horas ocorrido em alguns estados do país em decorrência de um problema técnico da usina de Itaipu, causado por intempéries climáticas, a ministra Dilma Roussef foi matéria durante todos os dias da semana no arremedo de jornal de William Bonner e Fátima Bernardes. Naquela ocasião, a ministra não foi ouvida como fonte, já que sobre ela se imputou simplesmente a culpa pelo episódio. Não delonguemos os exemplos, pois é clara a opção militante da Rede Globo, mesmo que ao arrepio deontológico de um jornalismo sem um mínimo de ética. A Ali Kamel e cia interessa muito menos noticiar e muito mais engabelar a verdade. A blindagem noticiosa operada sobre o governador de São Paulo conflui providencialmente num momento crítico para a campanha de Serra, quando os números das pesquisas não se mostram nada animadores para o candidato da coligação Demotucana. Com a proximidade da campanha, a tendência é que as organizações dos Marinhos, e de resto todo aparato midiocrático brasileiro, acirrem suas construções de “verdades” ao sabor dos interesses eleitorais, a exemplo do que ocorre no momento, quando o jornalismo da Vênus Platinada transformou a pauta da ausência de infra-estrutura na capital paulista em culpa presumida dos moradores dos bairros pobres, que para a Globo são, junto com São Pedro, os responsáveis pelas enchentes em São Paulo.

Comentários

Efraim Neto disse…
Não há dúvidas de que aí paira um das questões mais interessantes do país; é o tal do Plano Diretor de Desenvolvimento Urbano (PDDU). Essa sigla já não existe mais na política do país... e nas poucas vezes que aparece vem carregadas de desejos políticos, fazendo valer licitações ilicitas que favorecem sempre os mesmos. Aproveito e lhe envio por email um Debate/Tendências da Folha, sobre a questão!

Postagens mais visitadas deste blog

Snowden. Ou o fim da utopia cibernética

Num dia de agosto de 1992

Fé e ciência. O que Buda e Cristo têm em comum?