O "civismo" do movimento "Cancei" é racismo


É assim que começa. Comentário postado nesta coluna há cerca de quinze dias chamava atenção do âmago golpista da campanha deflagrada por representantes das elites nacionais que se manifestaram na Paulicéia na última sexta-feira, 17. Calcula-se que duas mil pessoas estiveram presentes ao ato ocorrido na Praça da Sé, segundo estimativas da Polícia Militar. Entre os participantes, “celebridades” como Hebe Camargo e Ivete Sangalo. Esperava-se também a presença da apresentadora Ana Maria Braga, que mandou o apoio, mas não compareceu. Chamado oficialmente de Movimento Cívico pelo Direito dos Brasileiros, a empreitada direitista foi comandada pelo empresário João Dória Júnior, que se mostra “indignado” com o governo. Talvez pelo fato ter ganho tanto dinheiro explorando os outros. Mas o ápice do seu sentido profundo ocorreu quando um outro líder da “marcha”, Paulo Zottolo, presidente da Philips do Brasil, declarou ao jornal Valor Econômico que "se o Piauí deixar de existir ninguém vai ficar chateado". Além de excludente, o movimento dos quatrocentões paulistanos e de parcelas da burguesia nacional também traz consigo altíssimo viés racista. É a direita encarnada no que há de mais reacionário no país. Pedindo “fora Lula” e usando óculos Gucci, as madames e senhores da “fina fauna” tupiniquim estão reeditando a velha marcha “Pela Família, com Deus, pela Propriedade”, um dos suportes do movimento que depôs o governo legítimo do presidente João Goulart em 1964. De olho neles, pois pode estar ali uma espécie de ovo da serpente à brasileira.

Comentários

genetica disse…
Chega a ser cômica esta postura de vocês petista, que se acham literalmente "OS INTOCAVEIS",ninguém pode criticar,ou melhor niguém pode falar nada que lá vem os petistas com a velha cantilena de golpe,ou então de terceiro turno das eleições de 2006, gostaria de lembrar ao nobre articulista que é obrigação da oposição mostrar os erros e até mesmo indgnação com as coisas erradas do governo, da mesma forma que vocês faziam quando eram oposição(lembra do "FORA FHC"?)A questão é que vocês não suportam crítica´, e precisam aprender a conviver com elas, pois na democracia é assim.
Por sinal gostaria de ouvir sua opnião sobre a emenda a constituição que está sendo urdida nos porões do planalto (por inspiração de Chavez)que permite a reeileção pelo o número de vezes que o ditador de plantão determinar.Um abraço do seu fiel leitor Zéu da Bahia
Ainda falta um pouco mais de percepção àqueles que defendem os parlapatões. Será possível que alguém possa entender uma manifestação de empresários e da elite paulista? Bom, eu entendo: A fatia digerida de um grande bolo está apodrecendo nas bordas das latrinas mais chiques. Enquanto pensam em destruir "essa raça"(Bornhausen), vão esquecendo que a força que alia os menos favorecidos não é exclusividade petista. É ativismo popular sério e destruidor das amarras de outrora, dos tempos da escravidão. Cansaram? Então, sentem...e rodem!

Abraço, Zeca!
Fabrício Lopes disse…
Não vejo nem um problema em críticas, desde que não se travistam de outra coisa! Vivemos em uma democracia. Todos tem o direito de se manifestar. Mas este direito não dá permissão às pessoas de mentir, iludir. A elite paulista e alguns empresários paulistanos podem e devem manifestar suas opções políticas. Isso é democracia. O que não dá, é tentar travestir um movimento político de uma ação apartidária, sem fins políticos. Porque, como bem disse Paulo Henrique Amorim, quem seria a favor de balas perdidas? E da violência?
Também é inadimissível que se utilizem de uma acidente aéreo (causado ou por falha do equipamento ou humana, como tem constatado as investigações) e da dor de pessoas que perderam entes queridos para fazer política. Isso é sujo. Independentemente de quem o faça. E este movimento dos "cansados" é tão fajuto que nem permitiu que os parentes das vítimas subissem ao palanque da manifestação. Então, para que mesmo era a manifestação?
Fabrício Lopes disse…
Desculpem-me pelo ato falho. Onde leêm "nem um", leia-se "nenhum".
Às vezes parece que Lula era o piloto...
Zeca Peixoto disse…
Caro Zeu da Bahia,

Está confundindo as coisas. Este articulista é o primeiro a criticar a atual política econômica do governo, os vacilos e subserviências para com o mercado financeiro, a presença de certos personagens no ministério de Lula, a exemplo de Jobim e Hélio Costa, assim como algumas alianças políticas que entendo como desprezíveis. Mas outra coisa é enredar com a palhaçada midiática de uma campanha como a "Cansei". Só cretinos ou por interesses econômicos e ideológicos embarcam nela. Quanto a emenda à Constituição que prevê a reeleição sucessiva, não tenho conhecimento que exista. Que se saiba, não há nenhum projeto de lei em pauta nesse sentido, a não ser a imaginação dos incautos, que creio seja o seu caso. E vou lhe dizer mais, se você confunde democracia com farras eleitorais com hora marcada, vejo então que seu conceito sobre o tema é extremamente rasteiro. Deve ser daquele tipo que acha que os EUA são a maior democracia do mundo; Ou mesmo aquele perfil que acredita na imparcialidade da Veja e se sente bem informado assistindo, com pose de Hommer Simpson, o Jornal Nacional, tal qual um ladrilho onde a informação bate e volta e cumpre seu ritual de índice nas cabeças sem reflexão. Talvez fosse o caso de você ler Marcuse, em Eros e Civilização, para entender um pouco quais são os mecanismos de dominação que se acoplam com sua visão de mundo conservadora. Um abraço

Postagens mais visitadas deste blog

Snowden. Ou o fim da utopia cibernética

kristallnacht à brasileira?

Fé e ciência. O que Buda e Cristo têm em comum?