A famiglia Marinho e sua vocação golpista



A maior parte das pessoas que acessa este blog é de gente jovem e que não tem conhecimento detalhado da Ditadura Militar. Vocês estão vendo a foto acima? À esquerda está o fundador das Organizações Globo, o jornalista Roberto Irineu Marinho; à direita está o general João Batista Figueiredo, o último dos ditadores a ocupar o poder após o golpe militar de 1964. Marinho e Figueiredo estão com os braços entrelaçados. E entrelaçadas sempre foram as relações da TV Globo e do jornal O Globo com um regime que violentou direitos civis, torturou, cassou direitos políticos, exilou milhares de pessoas, censurou brutalmente a imprensa e deixou como legado um pais extremamente desigual e com milhares de opositores desaparecidos. Esta semana a capa de um dos veículos das Organizações Globo, a revista Época, tenta desconstruir a imagem da candidata do PT à Presidência, Dilma Rousseff, taxando-a de terrorista. Dilma militou em grupos de esquerda, entre eles a Vanguarda Popular Armada Palmares, a VarPalmares, ainda que nunca tenha participado de nenhuma ação armada.
Mas não só Dilma. O ex-Chefe da Casa Civil do governo José Serra e candidato do PSDB ao Senado em SP, Aluisio Nunes Ferreira Filho, também foi guerrilheiro e participou ativamente da luta armada contra a Ditadura Militar, tendo sido integrante da ALN (Ação Libertadora Nacional), liderada por Carlos Marighella. O que a revista Época quer é embaralhar os fatos com o intuito de confundir seus leitores e tentar arrefecer o crescimento da candidatura do PT. Terrorista foi a conivência e o apoio ao circo de horrores da Ditadura Militar, da qual a TV Globo foi fiel escudeira, até o último suspiro dos generais. Roberto Marinho e suas empresas não só apoiaram o regime. Roberto Marinho conspirou com os militares para destituir do poder o presidente legítimo do país à época, João Goulart. E sua fidelidade foi tão canina aos gorilas que o todo-poderoso Dr. Roberto foi reiteradas vezes elogiado pelo ministro-censor do regime, Armando Falcão, como se pode ver no vídeo abaixo:



O ministro da Justiça Armando Falcão, encarregado de exercer a Censura durante o regime militar, em entrevista no documentário Beyond Citizen Kane, da TV britânica: “Devo dizer que o doutor Roberto Marinho nunca me criou qualquer tipo de dificuldade. Eu, ministro-censor, ele diretor do Globo, da televisão Globo, da Rede Globo, da rádio Globo, da rádio Mundial, da rádio Eldorado, ele nunca me criou dificuldade”.
Portanto, a tentativa de desqualificar Dilma Rousseff se traduz no desespero das Organizações Globo que novamente não conseguirão impor seu candidato ao povo brasileiro. Roberto Marinho já morreu, mas seus filhos continuam à frente da empreitada udenista-golpista, como ocorreu esta semana com a capa da revista Época.

Comentários

Ontem, quando fui levar minha mãe na rodoviária para viajar e ver o neto novo que veio ao mundo, vi esta revista na banca e pensei logo: isso é para desqualificar a Dilma.
Como você bem sabe Zeca, não sou fã da Dilma e não votarei nela, mas acho este tipo de jornalismo muito imoral e baixo.
Ainda não tive tempo de ler a matéria, porém tenho certeza que todo o conteúdo é para desconstruir a imagem da candidata e assim tirar os votos que ela tem.
A imprensa no Brasil de ontem , hoje e o de amanhã vai ser deste tipo. A tendência é piorar!
Axé Zeca!

Postagens mais visitadas deste blog

Snowden. Ou o fim da utopia cibernética

Num dia de agosto de 1992

Fé e ciência. O que Buda e Cristo têm em comum?