O triste fim de FHC



Realmente, o efeito do discurso de Fernando Henrique Cardoso, publicado há alguns dias no jornal da família Mesquita, demonstrou seu "poder arrasador”. Esquecido no anonimato da política, o ex-presidente sociólogo quis mostrar as mangas e provocou um estrago no candidato a presidente do seu partido, o governador José Serra (PSDB-SP). De acordo com a pesquisa CNT Sensus, em setembro o presidenciável tucano tinha 39,5% e a ministra Dilma Roussef, candidata do PT, 19,0%; neste mês de outubro José Serra obteve 31,8% e Dilma Rousseff 21,7% das intenções de voto. Nesta última, Ciro Gomes (PSB-CE) também aparece com 17,5%. A diferença entre Serra e Dilma, que era de 20 pontos, caiu para 10. A campanha de Serra acendeu a luz amarela – quiçá a vermelha – e agora trata de esconder o contêiner que se transformou FHC para a propaganda do seu candidato, ou melhor, a anti-propaganda. A pesquisa indica que o “Príncipe de Sorbone” é quem tem tirado votos de Serra. De acordo com o presidente da CNT, Clésio Andrade, “a indicação do ex-presidente FHC não acrescenta votos para o candidato à presidência”. Os números são cruéis: 49,3% responderam que não votariam em um nome apoiado por FHC e apenas 3% votariam em um candidato do ex-presidente. A pesquisa aponta também que a aprovação do governo Lula estimula a intenção de votos num candidato apoiado pelo petista. Em uma das prospecções, foi identificado que para 76% dos entrevistados os sete anos do governo Lula são melhores que os oito anos da era FHC; 10% acreditam que Fernando Henrique foi melhor e 11,1% afirmaram que os dois governos são iguais. Diante desse quadro, Andrade acrescenta que "a avaliação do presidente Lula e de seu governo continua crescendo, resultado do bom desempenho econômico e dos programas sociais, percepção de que houve melhora da imagem do País interna e perante o mundo". É fato, Fernando Henrique Cardoso, com todos os seus títulos acadêmicos, tem se transformado num farrapo político. E quando busca espaço na mídia que tanto lhe agradou ainda consegue fazer gol contra. Triste fim do vendilhão do Estado.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Num dia de agosto de 1992

Fé e ciência. O que Buda e Cristo têm em comum?

O monge beatnik. As alegrias e os dramas de Belchior