Acadêmico amargurado

Um certo articulista de jornal soteropolitano, apresentado como escritor e integrante da Academia Baiana de Letras, se utiliza do espaço destinado pelo periódico para tecer as mais estapafúrdias e cretinas análises sobre o panorama político. Rancoroso, o escritor -pode ser ignorância deste blogueiro, mas gostaria de conhecer uma de suas obras, as das prateleiras, claro! -, que não se conforma com o processo sucessório, já que seu candidato não anda bem das pernas, repete exaustivamente seu monotema todos os domingos. N verdade, uma cantinela que torra o saco de qualquer um. Acho que a pólvora que ele pensa deter está muito velha e molhada. Será que o nobre acadêmico acha que forma alguma opinião com suas quimeras?

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Snowden. Ou o fim da utopia cibernética

Num dia de agosto de 1992

Fé e ciência. O que Buda e Cristo têm em comum?