Será que o Serra entendeu ou recado do Paulo Preto?


A entrevista que o ex-diretor de Engenharia da Dersa Paulo Vieira de Souza, mais conhecido por Paulo Preto no folclore político, deu à Folha de hoje e que está no Uol é pra ser lida nos detalhes. Por isso, destaquei e comento quatro trechos.
Trecho 1
Eu gostaria que ela (Dilma) provasse que eu sumi com o dinheiro e gostaria que o candidato Serra se posicionasse e dissesse se eu sumi com o dinheiro, porque ele é bem informado sobre minhas ações no governo. Por que eu? Porque eu cuidei das maiores obras. Fiz, paguei, terminei no prazo, os empresários tiveram lucro e doaram para a campanha muito mais do que R$ 4 milhões _isso é irrisório perto do que eles doaram.
(Fica claro que a pressa em entregar certas obras guardava relação com o calendário das eleições. Mesmo nessas grandes licitações a maior parte dos pagamentos fica reservada para a entrega das obras. O que Paulo Preto quer dizer é que ele fez o que tinha de ser feito. E as empresas mandaram para o caixa – independente se oficial ou não – do PSDB o que haviam prometido. É uma declaração evidente de superfaturamento da obra. Cadê o Ministério Público Paulista? Isso merece investigação urgente.)
Trecho 2
Não somos amigos, mas ele [Serra] me conhece muito bem. Até por uma questão de satisfação ao país, ele tem que responder. Não tem atitude minha que não tenha sido informada a ele. Acho um absurdo não ter resposta, porque quem casa consente.
(Serra disse ontem em Goiânia que não conhece Paulo Preto e que se trata de um factóide. Hora do candidato se explicar. E pra bom entendedor Paulo Preto tá metendo o dedo na cara do ex-governador quando diz “não tem atitude minha que não tenha sido informada a ele”. Ou seja, Paulo Preto estaria querendo dizer algo como “se arrecadei ele sabe de tudo…” )
 Trecho 3
(…) O povo não podia entrar no Palácio [do Planalto]. Eu disse: “Aloysio, o povo tem que entrar no Palácio”. É isso que esse presidente [Lula] faz. É o “Cara”. E não sou eu quem diz isso, é o [presidente dos EUA,] Barack Obama.
(Aqui Paulo Preto elogia Lula, você acha que ele fez isso à toa, só por bom mocismo)
 Trecho 4
Aloysio é o braço direito do Serra, o número um. O Aloysio foi o braço direito dele. É impossível ter acontecido alguma coisa nesse governo Serra sem Francisco Vidal Luna, [secretário de Planejamento]. Aliás, governo Serra é Francisco Vidal Luna, Mauro Ricardo, [secretário de Fazenda] e Aloysio Nunes Ferreira. Só a eles que que me reportava. Mais ao Luna, que é técnico, menos ao Aloysio, que é político.
(Paulo Preto não enfileirou nomes à toa. Ele está dando um recado direto ao tucanato…Qual o recado? Eu desconfio que eles  entenderam.)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Snowden. Ou o fim da utopia cibernética

Num dia de agosto de 1992

Fé e ciência. O que Buda e Cristo têm em comum?